Atenção

Fechar

Biblioteca

Aços & Ligas | Aços e Ferros Fundidos | Aços Ultra-Resistentes e Aços Criogênicos

3 - Aços criogênicos

No emprego dos aços a temperaturas abaixo de zero, deve-se considerar dois grupos de ligas (280):

 

- aços para serviço a baixa temperaturas, envolvendo temperaturas até -100°C, típicas de gases liquefeitos como propana, amônia anidra, dióxido de carbono e etana;

 

- aços criogênicos propriamente ditos, para serviço envolvendo temperaturas até -273°C, típicas de gases liquefeitos como metana, oxigênio, nitrogênio, argônio, hidrogênio e hélio.

 

A importância desses aços criogênicos é muito grande, pois praticamente em todos os setores industriais eles podem ser utilizados, devendo-se salientar a indústria aeroespacial, as indústrias químicas, a indústria petroquímica, a indústria de gás natural, a de armazenamento e transporte de gases liquefeitos etc.

 

As Tabelas 149 e 150 (280) apresentam uma relação de aços empregados em baixas temperaturas e aços do tipo criogênico, com as propriedades mecânicas respectivas.

 

 

 

Tabela 149 – Composição nominal e propriedades mínimas de tração de aços-carbono e aços-liga de baixa temperatura e criogênicos

 

  (Clique na Tabela para ampliá-la)

 

 

  

Tabela 150 – Composição nominal e mínimas propriedades de tração de aços inoxidáveis criogênicos na forma de chapas

 

(Clique na Tabela para ampliá-la)

 

Inicialmente, as propriedades mecânicas de maior significado aparente estão representadas nessas Tabelas. Contudo, certos característicos físicos, tais como baixa condutibilidade térmica, baixa emissividade, baixo coeficiente de dilatação térmica e pureza do material podem ser importantes em vasos de armazenamento, linhas de transferência a vácuo e outros componentes de sistemas para temperaturas abaixo de zero.

 

Finalmente, nesses empregos a temperatura muito baixa, deve-se considerar o fenômeno conhecido como “temperatura de transição”, ou seja, passagem da fratura dúctil para fratura frágil, determinada por ensaio de choque, sobretudo em aplicações de armazenamento e transporte de gases liquefeitos.

 

 

3.1 – Temperatura de transição

 

Os aços-carbono comuns, de estrutura ferrítico ou ferrítico-perlítica, podem apresentar fraturas dúcteis ou frágeis, ou seja, sua deformação pode ocorrer por movimento de discordâncias, com grande deformação e elevada plasticidade, ou por clivagem, com menor plasticidade.

 

Por outro lado, num mesmo aço, têm-se, em função da temperatura, uma mudança, às vezes brusca, em temperaturas mais baixas, de fratura dúctil para fratura frágil. A temperatura em que ocorre esse fenômeno é chamada temperatura de transição (TR na Fig. 199) (281).

 

Ocorrendo o fenômeno às temperaturas normais, ele se torna muito grave; o efeito dos entalhes é muito grande, pois desloca a curva “resistência o choque-temperaturA”  para temperaturas mais elevadas, podendo então verificar-se fratura frágil.

 

  

Fig. 199 – Transição de fratura dúctil a frágil, em função da queda da temperatura.

 

 

 

Fig. 200 – Curvas esquemáticas de transição resistência ao choque-temperatura: aço A, transição elevada, além de 30°C; aço B, de transição mais baixa, cerca de 10°C; aço C, de transição em torno de 0°; aço D, sem transição, ou seja, somente lenta queda de resistência ao choque com a diminuição da temperatura.

 

 

Tabela 151 – Composição de aços-liga, cujas curvas de transição “fratura dúctil- fratura frágil” estão representadas na Figura 202.

 

 

 

 

Fig. 201 – Deslocamento das curvas resistência ao choque-temperatura em função do teor de carbono em aços-carbono comuns, sem elementos de liga.

 

 

A figura 202 (281) apresenta curvas esquemáticas “resistência ao choque-temperatura” para quatro tipos de aços. Pelo seu exame, conclui-se que o aço tipo D é o melhor; o aço B é mais seguro que o aço A e o aço C pode ser levado em conta para certas aplicações. A Fig. 201 (281) indica a influência do teor de carbono sobre as curvas “resistência ao choque-temperatura” de aços-carbono, sem elementos de liga, no estado normalizado.

 

A Fig. 202 (281) mostra a transição fratura dúctil e fratura frágil para vários aços-liga, cuja composição é dada na Tabela 151 (281).

 

 

 

 Fig. 202 – Transição fratura dúctil-fratura frágil para vários aços-liga.

« Voltar