Atenção

Fechar

Banner
Banner
Banner
Mineração

Vale adia venda de fatia em mina de níquel de Nova Caledônia, dizem fontes

A mineradora brasileira Vale decidiu adiar o processo de venda de participação em uma mina de níquel na Nova Caledônia, após considerar as propostas iniciais pelo ativo muito baixas, disseram à Reuters duas fontes com conhecimento direto do assunto.

A maior produtora de minério de ferro do mundo pode atrasar o processo em até um ano. A empresa prevê uma recuperação dos preços do níquel, segundo as fontes, que pediram anonimato porque não estão autorizadas a abordar o assunto.

Uma das fontes disse que a Vale estava buscando investimentos de 500 milhões a 1 bilhão de dólares na unidade Vale Nova Caledônia, que registrou problemas técnicos como um vazamento químico, além de enfrentar violentos protestos locais.

A empresa reduziu recentemente o peso de sua dívida --um dos objetivos dos esforços recentes para a venda de ativos-- e o novo presidente, Fabio Schvartsman, está realizando uma ampla revisão estratégica.

A Vale estava conversando com a recicladora chinesa de baterias GEM há vários meses sobre a participação na mina, mas essas negociações ficaram paralisadas, disseram as fontes. A GEM não respondeu aos pedidos de comentários.

Fabricantes de baterias recarregáveis ??para veículos elétricos estão procurando assegurar suprimentos de cobalto, lítio e níquel, que são ingredientes chave das baterias.

A Vale disse que o processo de venda de participação na mina ainda está em curso e que recebeu ofertas. O banco Nova Scotia, do Canadá, que assessora o processo de venda, não respondeu a pedidos de comentários.

As ações ordinárias da Vale subiram 1 por cento na B3 nesta sexta-feira, ampliando a alta neste ano para 33 por cento.

Acima do orçamento e após anos de atraso ??quando finalmente começou em 2010, o projeto da Nova Caledônia acumulou quase 1,3 bilhão de dólares em perdas entre 2014 e 2016, de acordo com uma apresentação de junho a investidores. Isso também reduziu o campo de potenciais interessados, de acordo com a segunda fonte.

Em uma conferência de investidores em Nova York nesta semana, Schvartsman disse que o níquel gerou retornos abaixo do esperado para a Vale e prometeu cortar novos investimentos no negócio.

"Esperamos que o níquel terá mais demanda à medida que se torna uma matéria-prima para baterias de carros, mas os preços não reagiram até agora", disse Schvartsman.

Murilo Ferreira, que Schvartsman substituiu como CEO em maio, decidiu vender a mina de níquel Nova Caledônia como parte de um plano de venda de ativos de 15 bilhões de dólares anunciado em 2016, para reduzir a dívida.

A dívida líquida da Vale diminuiu 18 por cento nos últimos 12 meses até setembro, para 21 bilhões de reais. Ela ficou em 4,9 vezes o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda), abaixo do patamar anterior, de 8,6 vezes um ano antes, de acordo com dados da Thomson Reuters.

Fonte: Reuters
Seção: Mineração
Publicação: 21/11/2017

Indique a um amigo

« Voltar para lista

Notícias relacionadas

Vale está entre as dez melhores empresas em Práticas de Gestão de Pessoas

Vale prevê reduzir dívida líquida para US$10 bi até 2019, diz CFO

Vale deve produzir 365 milhões de toneladas de minério de ferro este ano, diz Schvartsman

Vale ameaça inundar mercado se preço de minério de ferro subir

Vale reduz projeções de aportes e produção de níquel, busca maior rentabilidade